Painel esclareceu legislação do campo museal no 6º FNM

As novas responsabilidades que vieram com a sanção do decreto que regulamentou o Estatuto de Museus e o Plano Museológico, em 2013, motivaram o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) a organizar e apresentar um painel no 6º Fórum Nacional de Museus (FNM) com o tema O setor museal e o decreto nº 8.124/2013. O painel aconteceu ontem (27).

Luciana Palmeira, coordenadora de Patrimônio Museológico do Departamento de Processos Museais do Ibram, detalhou alguns artigos do estatuto, relacionando-o com algumas resoluções e instruções normativas que saíram desde 2013.

Luciana Palmeira

Luciana Palmeira detalhou aspectos do Estatuto de Museus

Ela lembrou que este é o primeiro FNM em que os atores do setor museal se reúnem após a regulamentação do Estatuto, e que o objetivo da lei é fortalecer o campo. “É fundamental que apresentemos a lei para que esses atores se apropriem dela e possam atender à legislação,” afirma.

Os sistemas de informação museal também foram alvo do painel, desta vez, apresentados ao público pela coordenadora de Produção e Análise da Informação do Ibram, Karla Uzêda.

Além de falar sobre o Cadastro Nacional de Museus – que está com a nova Pesquisa Anual de Museus aberta até dia 12 de dezembro–, e os números gerados por esse instrumento, Uzêda também destacou o Registro de Museus, usado para formalizar as instituições, e a Contagem de Público – que será lançada em fevereiro de 2015.

“Existe muita demanda por essas informações, seja da imprensa nacional ou internacional, seja de pesquisadores, de patrocinadores de projetos, do Ministério da Cultura. Por isso, estamos fazendo uma campanha de sensibilização, informação e orientação neste fórum”, explica a coordenadora.  Assista vídeo explicativo sobre  Museus & Público: Contagem.

Para o museólogo Antonio Eutalio Costa Corrêa, do Museu do Estado do Pará, o painel foi bastante elucidativo. “Vim com uma expectativa muito boa no sentido de fazer um alinhamento com o Ibram. Agora estamos aguardando as novas normativas,” concluiu o participante.