IV Teia da Memória é aberta com mesa redonda e anúncio sobre o Museu da Maré

IV Teia da Memória é aberta com mesa redonda e anúncio sobre o Museu da Maré

Teresa Morales: experiência mexicana de museologia social

Teresa Morales: experiência mexicana de museologia social

Foi aberta neste domingo (23), no Museu Paraense Emílio Goeldi, em Belém (PA), a IV Teia da Memória.

O pontapé inicial do encontro, que durante três dias reúne representantes de Pontos de Memória e outras iniciativas de memória e museologia social de todo o Brasil, foi marcado pela mesa-redonda Reflexões sobre conceitos-chave da museologia social no contexto internacional.

O tema foi debatido com a participação do museólogo e professor Mário Chagas (Ibram/Unirio), da coordenadora do Programa de Museus Comunitários de Oaxaca (México), Teresa Morales Lersch, e da presidente da Associação Brasileira de Ecomuseus e Museu Comunitários, Terezinha Resende.

Os convidados traçaram um panorama histórico sobre a museologia social nas últimas quatro décadas e o legado conceitual e desdobramentos práticos da Mesa Redonda de Santiago do Chile (1972) na atualidade.

Grupo Abrapalavra (MG) trouxe literatura e música para a Teia da Memória

Grupo Abrapalavra (MG) trouxe literatura e música para a Teia da Memória

Antes da mesa redonda, o público que lotou o auditório do Museu Paraense Emílio Goeldi – um dos principais da capital paraense e dos mais antigos do país, tendo sido fundado em 1866 – assistiu a apresentação lítero-musical do Grupo Abrapalavra, do Ponto de Memória Pompéu (MG). E, ao final, pode participar da Trilha da Memória, ferramenta lúdica e pedagógica que utiliza o teatro no resgate da memória do Parque Zoobotânico do Museu Goeldi.

Antes do debate, a mesa de abertura contou com a participação do presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Angelo Oswaldo; do diretor do Departamento de Processos Museais do Ibram, João Barbosa; do diretor do Museu Paraense Emílio Goeldi, Nilson Gabas Jr.; da representante do Conselho Gestor de Gestão Compartilhada/Participativa do Programa Pontos de Memória, Viviane Rodrigues; da representante do Ponto de Memória da Terra Firme, Helena Quadros; e da representante da Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI), Telma Teixeira.

Museu da Maré

Presidente do Ibram anunciou solução para o Museu da Maré pelo Governo do RJ

Presidente do Ibram anunciou solução do Governo do RJ para o Museu da Maré

O presidente do Ibram aproveitou a oportunidade para anunciar o resultado das negociações para a continuidade do Museu da Maré, no Rio de Janeiro (RJ) – iniciativa pioneira de museologia social no Brasil que, desde agosto passado, vinha resistindo a uma ameaça de despejo por conta do fim do contrato de cessão do terreno em que está localizado.

De acordo com Angelo Oswaldo, que integra o grupo de gestores públicos das três esferas de governo mobilizados em torno de uma solução para o impasse, o secretário de Turismo do Estado do Rio de Janeiro, Claudio Magnavita, garantiu nos últimos dias que o governo irá desapropriar o terreno em favor do museu.

“O Museu da Maré sintetiza muito bem aquilo que entendemos por museologia social, por ser um museu concebido com inteira participação dos moradores da comunidade, que cuidaram que todas as narrativas ali apresentadas fossem muito bem alinhavadas”, disse Angelo Oswaldo ao anunciar a notícia, bastante comemorada pelos presentes.

A IV Teia da Memória prossegue nesta segunda e terça-feira no Hangar – Centro de Convenções & Feiras da Amazônia, com leitura e aprovação do regimento interno do encontro, abertura da exposição Memórias Plurais e palestra com o tema A gestão participativa/compartilhada do Programa Pontos de Memória no âmbito das políticas públicas para a área cultural do Brasil. Acompanhe no Blogue do 6º FNM.