Ibram oficializa criação da Política Nacional de Educação Museal

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) tornou oficial, na quarta-feira (13), a criação da Política Nacional de Educação Museal (PNEM) com a publicação da Portaria Nº 422, de 30 de novembro de 2017.

Documento final da PNEM foi aprovado durante o 7º FNM

Documento final da PNEM foi aprovado durante o 7º FNM

O texto legal estabelece um conjunto de princípios e diretrizes que tem o objetivo de nortear a realização das práticas educacionais em instituições museológicas, fortalecer a dimensão educativa em todos os setores do museu e subsidiar a atuação dos educadores. Define também compromissos do Ibram para sua implementação.

A portaria é fundamentada em princípios e diretrizes orientadores definidos de forma colaborativa, após amplo processo de participação – como consulta pública online, a realização de 23 encontros presenciais regionais, a aprovação da Carta de Petrópolis (2012) e Carta de Belém (2014), durante as respectivas edições do Fórum Nacional de Museus (FNM). O documento final foi aprovado na sétima edição do fórum, realizada este ano em Porto Alegre (RS).

O trabalho contou com a participação de servidores do Ibram, educadores e outros profissionais do setor museológico, Redes de Educadores em Museus, professores, estudantes e usuários de museus interessados na organização, desenvolvimento e fortalecimento da educação museal em território brasileiro.

“O maior valor da Política Nacional de Educação Museal é o caráter participativo de sua constituição”, considera a diretora do Departamento de Processos Museais, responsável pela PNEM, Renata Bittencourt. “O documento traz diretrizes para o campo museal geradas a partir de uma multiplicidade de vozes. Profissionais de museus de diferentes perfis contribuíram para o desenho destes parâmetros, que acreditamos, têm grande potencial para impulsionar a área museológica”, avalia.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Doni Maciel/Acervo Ibram